O Prof. Dr. Sérgio Muritiba, fundador do GEPRA, foi convidado para falar para o ESTADÃO sobre MBAs para proprietários de empresas 

Confira as dicas baixando o artigo ou lendo a matéria abaixo

MATÉRIA NA ÍNTEGRA:

Por que o ensino tradicional pode não ajudar os empreendedores a se desenvolverem (e como você pode driblar isso) link da matéria no site do estadão

Por que o ensino tradicional pode não ajudar os empreendedores a se desenvolverem (e como você pode driblar isso)

Jornal O Estado de São Paulo. Coluna MBA de A a Z. Paula Braga. 20 de julho de 2020. Link para o artigo original aqui.

Muitos de meus clientes empreendedores (ou que desejam empreender) chegam com a seguinte dúvida: um MBA pode me ajudar a desenvolver/melhorar meu negócio? Recentemente, chamei o Thiago Torres para compartilhar seu ponto vista sobre o assunto (clique aqui para ver post na íntegra).

E, seguindo nessa discussão tão relevante, resolvi nessa semana convidar o Prof. Dr. Sérgio Nunes Muritiba, doutor em Administração pela USP e pós-doutor pela Columbia Business School para compartilhar seu ponto de vista (e várias dicas preciosíssimas) a respeito do assunto.

 

Com vocês, Dr. Sérgio!

Empreendedores provavelmente conhecem dias assim: perder o sono pensando em coisas da empresa, passar a manhã correndo atrás dos clientes ou de pendências, e passar a tarde quebrando a cabeça para resolver problemas.

Ainda que essa rotina seja estafante, pelo menos trata-se de uma das melhores formas para se aprender. De fato, há estudos [1][2]que comprovam que a chamada “aprendizagem experiencial”  faz você assimilar mais do que qualquer outro método, seja ouvindo palestras, lendo, fazendo oficinas, ou assistindo qualquer outro tipo de “aula”.

Parece maravilhoso, né? Aprender sem precisar estudar!

Porém, há dois principais contrapontos de contar somente com a experiência nua e crua como forma de aprendizagem:

  • Você provavelmente vai sofrer demais, pois ninguém aguenta tanta emoção, ainda mais quando o sucesso de seu empreendimento depende de sua performance. Quando estamos fora da sala de aula e o jogo de empreender é de verdade, arriscar gera, na melhor das hipóteses, um enorme frio na barriga e, na pior das hipóteses, consequências para seu negócio.

  • Possivelmente vai levar mais tempo para chegar num patamar de conhecimento que só os empresários com muitos anos de experiência conseguem atingir. Através do conhecimento formal, dá para pular algumas etapas.

 

Mediante a essa situação, muitos empreendedores buscam no ensino tradicional uma forma de se desenvolver. Porém, o que se percebeu através de estudos científicos é que, como você tomou muitas decisões difíceis o dia todo, os estímulos dados pelas aulas tradicionais fazem menos efeito. O motivo para isso é porque sua concentração está em resolver os problemas práticos que você está enfrentando, então seu comprometimento é maior com a aula quando os exercícios simulam situações do seu dia a dia[3],

Como proceder então?

Não tema! Existem métodos mais adequados para esse público. Aulas que alavanquem a troca de experiência com outros empresários são o caminho para você se desenvolver, porque aí você aprende com a experiência não só sua, mas também dos outros, e assimila melhor esses aprendizados.

Para ajudar a identificar se curso que você está considerando atende aos requisitos que comprovadamente apoiam empreendedores em seu desenvolvimento, desenvolvi o checklist abaixo:

  • Ter colegas empreendedores como você. Por mais que exista teoria, vai ser muito mais palpável se colegas que passam pelos mesmos desafios que você contarem os problemas deles e como resolveram

  • Exercícios que foquem nos problemas de vocês. Muitos cursos usam “cases” práticos, mas que são muito distantes da realidade média das empresas brasileiras. Exemplos de outro país, de empresas muito maiores ou centenárias são menos úteis do que os casos dos seus próprios colegas, ou de empresas mais próximas ao estágio da sua

  • Professores com experiência prática (de verdade), mas com formação em pós-graduação. Os melhores docentes para dar aula para empreendedores são aqueles que já passaram ou passam pelos mesmos desafios de gerenciar uma empresa, mas que também tem formação (afinal não adianta só ter opinião, tem que ter embasamento). Não é fácil encontrar profissionais assim, mas existem cursos onde um grande percentual dos professores tem esse currículo. Você pode checar com cuidado o currículo dos docentes, antes de se matricular.

  • Experiência internacional. Enquanto MBAs internacionais podem não ser viáveis para quem tem uma empresa para tocar, alguns cursos trazem ou professores com formação internacional ou experiências práticas para ver como outras partes do mundo resolvem os perrengues que você enfrenta

 

E se não der para fazer cursos assim? Como driblar isso e acelerar seu desenvolvimento?

Nem sempre dá para se ausentar muito da empresa ou pagar um bom curso, apesar de existir algumas opções até de pós-graduação que consideram isso (aulas uma vez na semana, à noite, e bolsas de estudos). Para endereçar essa dificuldade, você pode usar mesma premissa da experiência para se desenvolver. Siga esses quatro passos:

  1. Ter seu próprio grupo de empresários-colegas para trocar experiências. Algumas associações ou grupos permitem encontros periódicos para você se beneficiar da experiência dos outros

  2. Seja autodidata. Não precisa ler tudo que aparece na sua frente, mas tente antecipar os problemas que você vai enfrentar na sua empresa e ler coisas que te ajudem a se preparar. Recomendamos até você começar a buscar em bases científicas, como o Google Scholar, onde você encontra, com algum treino, artigos que trazem conhecimentos testados e que você pode aplicar em sua empresa.

  3. Busque se conhecer melhor. Cada um tem as próprias prioridades para se desenvolver no momento, e você pode tirar um tempo para entender quais são as suas.

  4. Ter alguém experiente para te apoiar. Muitas empresas grandes tem conselhos de administração, que são grupos de profissionais com muita experiência que ajudam a tomar as decisões mais importantes. Mesmo que você não tenha, pode eleger um mentor para te apoiar na sua trilha: um ex professor, colega empresário mais experiente, ou até um parente. O importante é ter alguém para compartilhar as experiências com você.

 

Por fim, se quiser conhecer um programa de desenvolvimento de empresários gratuito para você ter seu grupo de colegas para trocar experiências, e uma trilha de desenvolvimento personalizada, o GEPRA preparou um programa gratuito aberto a empresários, empreendedores, sócios ou herdeiros que estão começando a assumir os negócios – o Programa Elenkus (https://www.gepra.com.br/elenkus). As turmas são semestrais e o programa que é gratuito dura seis meses e segue os quatro princípios acima.

Agora uma mensagem final. Se você consegue enfrentar no dia a dia os desafios que a gente sabe que empresários superam no Brasil, você merece cursos que entendam suas necessidades e pode ser criterioso na escolha. Muitos empreendedores ficam se sentindo mal por não conseguir se adaptar aos cursos existentes (seja de graduação ou pós-graduação), mas na verdade, são os cursos que tem a responsabilidade de se adaptar para poder apoiar os empresários na difícil jornada de conduzir uma empresa no Brasil.

Além disso, valorize sua experiência, porque ela é (comprovadamente) uma das maiores fontes de conhecimento. Se você tem a garra de fazer uma empresa crescer, consegue também aprender e desenvolver novas competências mesmo quando não está em cursos formais.

Espero que minhas dicas ajudem você empresário a se desenvolver, seja encontrando cursos direcionados a você, ou por conta própria. Acredito que a melhor forma de transformar o país é com empresários mais qualificados, que terão melhores empresas, e impactarão muitas vidas de muitas pessoas.

Prof. Dr. Sérgio Nunes Muritiba é fundador do GEPRA, doutor em Administração pela USP, pós-doutor pela Columbia Business School (EUA), uma das 10 melhores escolas de negócios do mundo, pesquisador com mais de 70 publicações livros, revistas e congressos científicos, e empresário trabalhador na quarentena com filho pequeno em casa. Coordena em parceria com a FECAP a Pós-Graduação em Gestão de Negócios para Proprietários de Empresas, toda desenhada para empresários (https://www.gepra.com.br/pos).

[1] COOPER, Sarah; BOTTOMLEY, Colin; GORDON, Jillian. Stepping out of the classroom and up the ladder of learning: An experiential learning approach to entrepreneurship education. Industry and Higher education, v. 18, n. 1, p. 11-22, 2004.

[2] DHLIWAYO, Shepherd. Experiential learning in entrepreneurship education. Education+ training, 2008.

[3] MURITIBA, P.M.; SAUAIA, A.C.A.; MURITIBA, S.N. Comprometimento dos alunos com métodos de aprendizagem gerencial: aulas expositivas vs. jogos de empresas. São Paulo: Semead, 2006.

Siga-nos nas redes sociais

  • Preto Ícone LinkedIn
  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone Instagram
  • Preto Ícone Twitter

Surgiu alguma dúvida?